Sempre fui movida pelo desejo de independência.

Esse desejo me levou a sair da casa dos meus pais em Foz do Iguaçu, aos 16, me trazendo até São Paulo. Na época, consegui um emprego na 25 de março como vendedora. Foi uma experiência que me levou, anos mais tarde, a trabalhar no Paraguai, onde tive meu próprio negócio.

Quando decidi experimentar algo novo, migrei para o mundo do Poker, trabalhando como dealer num clube da minha cidade. Era uma espécie de realização naquele momento. Decidi voltar para São Paulo, pois, na época, o poker estava em ascensão pelo país.

Porém as longas jornadas de trabalho e o ambiente das apostas foram, aos poucos, esgotando as minhas energias. Trabalhando até de madrugada, comecei a perder o foco e a disciplina que sempre fizeram parte da minha rotina.

Cheguei a um nível de estresse onde precisei de um novo rumo. Decidi, então, trancar a faculdade, estudava educação física, ou pelo menos tentava. Conversando com uma amiga, ela me falou do Coaching, me disse que eu poderia trabalhar como coaching esportiva e achei a ideia fantástica.

Levei a sério aquela conversa, comecei a pesquisar sobre o assunto, procurar escolas de formação, foi então que conheci a Programação Neuro Linguística e comecei um curso de formação como practitioner em PNL. Iniciando, dessa forma, um longo processo de autoconhecimento.

Esse processo foi uma grande transformação em minha vida, aprendi a direcionar minha mente para meus objetivos e tomei conhecimento das minhas crenças limitantes.

Foi necessário reconhecer o meu contágio social, entender quais eram os meus comportamentos, admitir qual era o meu estado atual, para então direcionar minha vida para um novo contexto e conteúdo.

Neste caminho, além do curso de PNL, participei de imersões de autoconhecimento e inteligência emocional, fiz retiros de meditação, toda a grade de curso da Febracis e formação como instrutora de Mindfulness.

Buscando ampliar ainda mais os meus conhecimentos sobre e mente humana, em 2019, ingressei no curso de Graduação em Psicologia pela FMU.

Compreendi que o processo de autoconhecimento tem apenas início e o desenvolvimento de uma pessoa requer paciência, autocuidado e autocompaixão.

Amar a si mesmo é o começo de um romance para a vida toda”. – Oscar Wilde